Mostrar 134 resultados

Descrição arquivística
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (Brasil) Weiller, Teresinha Heck Com objeto digital
Opções de pesquisa avançada
Previsualizar a impressão Ver:

11º Estágio Interdisciplinar de Vivência (EIV)

O 11º Estágio Interdisciplinar de Vivência aconteceu de 17 de fevereiro a 05 de março de 2014, apoiado pela Pró-Reitoria de Extensão e teve como tema "Conhecendo a Realidade do Campo do Rio Grande do Sul". O estágio foi criado no final da década de 80, por estudantes de Agronomia organizados na Federação dos Estudantes de Agronomia do Brasil (FEAB), e teve sua primeira edição no município de Dourados-MS. O EIV é construído em parceria com o Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra, o MST, e tem como um dos seus principais objetivos, mostrar aos estudantes a realidade agrária do Brasil e propor um método diferenciado de ensino-aprendizagem, tendo como princípios, a interdisciplinaridade (estudantes de vários cursos e diferentes áreas do conhecimento participando), a formação humanística (voltada para a sociedade, e construindo novos valores e relações sociais), o princípio da não-intervenção (durante o período de vivências, os estudantes não intervém na realidade dos assentamentos, apenas vivenciam a rotina das famílias e participam dela, trazendo para a universidade suas reflexões enquanto futuros profissionais). O EIV é composto de 3 fases: a primeira, com uma semana de estudos voltados para o entendimento da realidade agrária, seguido da segunda fase, que é o período de vivências, onde os estudantes são distribuídos em diversos assentamentos da reforma agrária do estado do Rio Grande do Sul, e por fim, a socialização das vivências e fechamento dos estudos na terceira fase. Esta edição do estágio de vivência ocorreu no assentamento da invernadinha em Júlio de Castilhos.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (Brasil)

11º Estágio Interdisciplinar de Vivência (EIV)

O 11º Estágio Interdisciplinar de Vivência aconteceu de 17 de fevereiro a 05 de março de 2014, apoiado pela Pró-Reitoria de Extensão e teve como tema "Conhecendo a Realidade do Campo do Rio Grande do Sul". O estágio foi criado no final da década de 80, por estudantes de Agronomia organizados na Federação dos Estudantes de Agronomia do Brasil (FEAB), e teve sua primeira edição no município de Dourados-MS. O EIV é construído em parceria com o Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra, o MST, e tem como um dos seus principais objetivos, mostrar aos estudantes a realidade agrária do Brasil e propor um método diferenciado de ensino-aprendizagem, tendo como princípios, a interdisciplinaridade (estudantes de vários cursos e diferentes áreas do conhecimento participando), a formação humanística (voltada para a sociedade, e construindo novos valores e relações sociais), o princípio da não-intervenção (durante o período de vivências, os estudantes não intervém na realidade dos assentamentos, apenas vivenciam a rotina das famílias e participam dela, trazendo para a universidade suas reflexões enquanto futuros profissionais). O EIV é composto de 3 fases: a primeira, com uma semana de estudos voltados para o entendimento da realidade agrária, seguido da segunda fase, que é o período de vivências, onde os estudantes são distribuídos em diversos assentamentos da reforma agrária do estado do Rio Grande do Sul, e por fim, a socialização das vivências e fechamento dos estudos na terceira fase. Esta edição do estágio de vivência ocorreu no assentamento da invernadinha em Júlio de Castilhos.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (Brasil)

11º Estágio Interdisciplinar de Vivência (EIV)

O 11º Estágio Interdisciplinar de Vivência aconteceu de 17 de fevereiro a 05 de março de 2014, apoiado pela Pró-Reitoria de Extensão e teve como tema "Conhecendo a Realidade do Campo do Rio Grande do Sul". O estágio foi criado no final da década de 80, por estudantes de Agronomia organizados na Federação dos Estudantes de Agronomia do Brasil (FEAB), e teve sua primeira edição no município de Dourados-MS. O EIV é construído em parceria com o Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra, o MST, e tem como um dos seus principais objetivos, mostrar aos estudantes a realidade agrária do Brasil e propor um método diferenciado de ensino-aprendizagem, tendo como princípios, a interdisciplinaridade (estudantes de vários cursos e diferentes áreas do conhecimento participando), a formação humanística (voltada para a sociedade, e construindo novos valores e relações sociais), o princípio da não-intervenção (durante o período de vivências, os estudantes não intervém na realidade dos assentamentos, apenas vivenciam a rotina das famílias e participam dela, trazendo para a universidade suas reflexões enquanto futuros profissionais). O EIV é composto de 3 fases: a primeira, com uma semana de estudos voltados para o entendimento da realidade agrária, seguido da segunda fase, que é o período de vivências, onde os estudantes são distribuídos em diversos assentamentos da reforma agrária do estado do Rio Grande do Sul, e por fim, a socialização das vivências e fechamento dos estudos na terceira fase. Esta edição do estágio de vivência ocorreu no assentamento da invernadinha em Júlio de Castilhos.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (Brasil)

11º Estágio Interdisciplinar de Vivência (EIV)

O 11º Estágio Interdisciplinar de Vivência aconteceu de 17 de fevereiro a 05 de março de 2014, apoiado pela Pró-Reitoria de Extensão e teve como tema "Conhecendo a Realidade do Campo do Rio Grande do Sul". O estágio foi criado no final da década de 80, por estudantes de Agronomia organizados na Federação dos Estudantes de Agronomia do Brasil (FEAB), e teve sua primeira edição no município de Dourados-MS. O EIV é construído em parceria com o Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra, o MST, e tem como um dos seus principais objetivos, mostrar aos estudantes a realidade agrária do Brasil e propor um método diferenciado de ensino-aprendizagem, tendo como princípios, a interdisciplinaridade (estudantes de vários cursos e diferentes áreas do conhecimento participando), a formação humanística (voltada para a sociedade, e construindo novos valores e relações sociais), o princípio da não-intervenção (durante o período de vivências, os estudantes não intervém na realidade dos assentamentos, apenas vivenciam a rotina das famílias e participam dela, trazendo para a universidade suas reflexões enquanto futuros profissionais). O EIV é composto de 3 fases: a primeira, com uma semana de estudos voltados para o entendimento da realidade agrária, seguido da segunda fase, que é o período de vivências, onde os estudantes são distribuídos em diversos assentamentos da reforma agrária do estado do Rio Grande do Sul, e por fim, a socialização das vivências e fechamento dos estudos na terceira fase. Esta edição do estágio de vivência ocorreu no assentamento da invernadinha em Júlio de Castilhos.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (Brasil)

11º Estágio Interdisciplinar de Vivência (EIV)

O 11º Estágio Interdisciplinar de Vivência aconteceu de 17 de fevereiro a 05 de março de 2014, apoiado pela Pró-Reitoria de Extensão e teve como tema "Conhecendo a Realidade do Campo do Rio Grande do Sul". O estágio foi criado no final da década de 80, por estudantes de Agronomia organizados na Federação dos Estudantes de Agronomia do Brasil (FEAB), e teve sua primeira edição no município de Dourados-MS. O EIV é construído em parceria com o Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra, o MST, e tem como um dos seus principais objetivos, mostrar aos estudantes a realidade agrária do Brasil e propor um método diferenciado de ensino-aprendizagem, tendo como princípios, a interdisciplinaridade (estudantes de vários cursos e diferentes áreas do conhecimento participando), a formação humanística (voltada para a sociedade, e construindo novos valores e relações sociais), o princípio da não-intervenção (durante o período de vivências, os estudantes não intervém na realidade dos assentamentos, apenas vivenciam a rotina das famílias e participam dela, trazendo para a universidade suas reflexões enquanto futuros profissionais). O EIV é composto de 3 fases: a primeira, com uma semana de estudos voltados para o entendimento da realidade agrária, seguido da segunda fase, que é o período de vivências, onde os estudantes são distribuídos em diversos assentamentos da reforma agrária do estado do Rio Grande do Sul, e por fim, a socialização das vivências e fechamento dos estudos na terceira fase. Esta edição do estágio de vivência ocorreu no assentamento da invernadinha em Júlio de Castilhos.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (Brasil)

11º Estágio Interdisciplinar de Vivência (EIV)

O 11º Estágio Interdisciplinar de Vivência aconteceu de 17 de fevereiro a 05 de março de 2014, apoiado pela Pró-Reitoria de Extensão e teve como tema "Conhecendo a Realidade do Campo do Rio Grande do Sul". O estágio foi criado no final da década de 80, por estudantes de Agronomia organizados na Federação dos Estudantes de Agronomia do Brasil (FEAB), e teve sua primeira edição no município de Dourados-MS. O EIV é construído em parceria com o Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra, o MST, e tem como um dos seus principais objetivos, mostrar aos estudantes a realidade agrária do Brasil e propor um método diferenciado de ensino-aprendizagem, tendo como princípios, a interdisciplinaridade (estudantes de vários cursos e diferentes áreas do conhecimento participando), a formação humanística (voltada para a sociedade, e construindo novos valores e relações sociais), o princípio da não-intervenção (durante o período de vivências, os estudantes não intervém na realidade dos assentamentos, apenas vivenciam a rotina das famílias e participam dela, trazendo para a universidade suas reflexões enquanto futuros profissionais). O EIV é composto de 3 fases: a primeira, com uma semana de estudos voltados para o entendimento da realidade agrária, seguido da segunda fase, que é o período de vivências, onde os estudantes são distribuídos em diversos assentamentos da reforma agrária do estado do Rio Grande do Sul, e por fim, a socialização das vivências e fechamento dos estudos na terceira fase. Esta edição do estágio de vivência ocorreu no assentamento da invernadinha em Júlio de Castilhos.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (Brasil)

11º Estágio Interdisciplinar de Vivência (EIV)

O 11º Estágio Interdisciplinar de Vivência aconteceu de 17 de fevereiro a 05 de março de 2014, apoiado pela Pró-Reitoria de Extensão e teve como tema "Conhecendo a Realidade do Campo do Rio Grande do Sul". O estágio foi criado no final da década de 80, por estudantes de Agronomia organizados na Federação dos Estudantes de Agronomia do Brasil (FEAB), e teve sua primeira edição no município de Dourados-MS. O EIV é construído em parceria com o Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra, o MST, e tem como um dos seus principais objetivos, mostrar aos estudantes a realidade agrária do Brasil e propor um método diferenciado de ensino-aprendizagem, tendo como princípios, a interdisciplinaridade (estudantes de vários cursos e diferentes áreas do conhecimento participando), a formação humanística (voltada para a sociedade, e construindo novos valores e relações sociais), o princípio da não-intervenção (durante o período de vivências, os estudantes não intervém na realidade dos assentamentos, apenas vivenciam a rotina das famílias e participam dela, trazendo para a universidade suas reflexões enquanto futuros profissionais). O EIV é composto de 3 fases: a primeira, com uma semana de estudos voltados para o entendimento da realidade agrária, seguido da segunda fase, que é o período de vivências, onde os estudantes são distribuídos em diversos assentamentos da reforma agrária do estado do Rio Grande do Sul, e por fim, a socialização das vivências e fechamento dos estudos na terceira fase. Esta edição do estágio de vivência ocorreu no assentamento da invernadinha em Júlio de Castilhos.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (Brasil)

11º Estágio Interdisciplinar de Vivência (EIV)

O 11º Estágio Interdisciplinar de Vivência aconteceu de 17 de fevereiro a 05 de março de 2014, apoiado pela Pró-Reitoria de Extensão e teve como tema "Conhecendo a Realidade do Campo do Rio Grande do Sul". O estágio foi criado no final da década de 80, por estudantes de Agronomia organizados na Federação dos Estudantes de Agronomia do Brasil (FEAB), e teve sua primeira edição no município de Dourados-MS. O EIV é construído em parceria com o Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra, o MST, e tem como um dos seus principais objetivos, mostrar aos estudantes a realidade agrária do Brasil e propor um método diferenciado de ensino-aprendizagem, tendo como princípios, a interdisciplinaridade (estudantes de vários cursos e diferentes áreas do conhecimento participando), a formação humanística (voltada para a sociedade, e construindo novos valores e relações sociais), o princípio da não-intervenção (durante o período de vivências, os estudantes não intervém na realidade dos assentamentos, apenas vivenciam a rotina das famílias e participam dela, trazendo para a universidade suas reflexões enquanto futuros profissionais). O EIV é composto de 3 fases: a primeira, com uma semana de estudos voltados para o entendimento da realidade agrária, seguido da segunda fase, que é o período de vivências, onde os estudantes são distribuídos em diversos assentamentos da reforma agrária do estado do Rio Grande do Sul, e por fim, a socialização das vivências e fechamento dos estudos na terceira fase. Esta edição do estágio de vivência ocorreu no assentamento da invernadinha em Júlio de Castilhos.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (Brasil)

11º Estágio Interdisciplinar de Vivência (EIV)

O 11º Estágio Interdisciplinar de Vivência aconteceu de 17 de fevereiro a 05 de março de 2014, apoiado pela Pró-Reitoria de Extensão e teve como tema "Conhecendo a Realidade do Campo do Rio Grande do Sul". O estágio foi criado no final da década de 80, por estudantes de Agronomia organizados na Federação dos Estudantes de Agronomia do Brasil (FEAB), e teve sua primeira edição no município de Dourados-MS. O EIV é construído em parceria com o Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra, o MST, e tem como um dos seus principais objetivos, mostrar aos estudantes a realidade agrária do Brasil e propor um método diferenciado de ensino-aprendizagem, tendo como princípios, a interdisciplinaridade (estudantes de vários cursos e diferentes áreas do conhecimento participando), a formação humanística (voltada para a sociedade, e construindo novos valores e relações sociais), o princípio da não-intervenção (durante o período de vivências, os estudantes não intervém na realidade dos assentamentos, apenas vivenciam a rotina das famílias e participam dela, trazendo para a universidade suas reflexões enquanto futuros profissionais). O EIV é composto de 3 fases: a primeira, com uma semana de estudos voltados para o entendimento da realidade agrária, seguido da segunda fase, que é o período de vivências, onde os estudantes são distribuídos em diversos assentamentos da reforma agrária do estado do Rio Grande do Sul, e por fim, a socialização das vivências e fechamento dos estudos na terceira fase. Esta edição do estágio de vivência ocorreu no assentamento da invernadinha em Júlio de Castilhos.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (Brasil)

11º Estágio Interdisciplinar de Vivência (EIV)

O 11º Estágio Interdisciplinar de Vivência aconteceu de 17 de fevereiro a 05 de março de 2014, apoiado pela Pró-Reitoria de Extensão e teve como tema "Conhecendo a Realidade do Campo do Rio Grande do Sul". O estágio foi criado no final da década de 80, por estudantes de Agronomia organizados na Federação dos Estudantes de Agronomia do Brasil (FEAB), e teve sua primeira edição no município de Dourados-MS. O EIV é construído em parceria com o Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra, o MST, e tem como um dos seus principais objetivos, mostrar aos estudantes a realidade agrária do Brasil e propor um método diferenciado de ensino-aprendizagem, tendo como princípios, a interdisciplinaridade (estudantes de vários cursos e diferentes áreas do conhecimento participando), a formação humanística (voltada para a sociedade, e construindo novos valores e relações sociais), o princípio da não-intervenção (durante o período de vivências, os estudantes não intervém na realidade dos assentamentos, apenas vivenciam a rotina das famílias e participam dela, trazendo para a universidade suas reflexões enquanto futuros profissionais). O EIV é composto de 3 fases: a primeira, com uma semana de estudos voltados para o entendimento da realidade agrária, seguido da segunda fase, que é o período de vivências, onde os estudantes são distribuídos em diversos assentamentos da reforma agrária do estado do Rio Grande do Sul, e por fim, a socialização das vivências e fechamento dos estudos na terceira fase. Esta edição do estágio de vivência ocorreu no assentamento da invernadinha em Júlio de Castilhos.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (Brasil)

11º Estágio Interdisciplinar de Vivência (EIV)

O 11º Estágio Interdisciplinar de Vivência aconteceu de 17 de fevereiro a 05 de março de 2014, apoiado pela Pró-Reitoria de Extensão e teve como tema "Conhecendo a Realidade do Campo do Rio Grande do Sul". O estágio foi criado no final da década de 80, por estudantes de Agronomia organizados na Federação dos Estudantes de Agronomia do Brasil (FEAB), e teve sua primeira edição no município de Dourados-MS. O EIV é construído em parceria com o Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra, o MST, e tem como um dos seus principais objetivos, mostrar aos estudantes a realidade agrária do Brasil e propor um método diferenciado de ensino-aprendizagem, tendo como princípios, a interdisciplinaridade (estudantes de vários cursos e diferentes áreas do conhecimento participando), a formação humanística (voltada para a sociedade, e construindo novos valores e relações sociais), o princípio da não-intervenção (durante o período de vivências, os estudantes não intervém na realidade dos assentamentos, apenas vivenciam a rotina das famílias e participam dela, trazendo para a universidade suas reflexões enquanto futuros profissionais). O EIV é composto de 3 fases: a primeira, com uma semana de estudos voltados para o entendimento da realidade agrária, seguido da segunda fase, que é o período de vivências, onde os estudantes são distribuídos em diversos assentamentos da reforma agrária do estado do Rio Grande do Sul, e por fim, a socialização das vivências e fechamento dos estudos na terceira fase. Esta edição do estágio de vivência ocorreu no assentamento da invernadinha em Júlio de Castilhos.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (Brasil)

11º Estágio Interdisciplinar de Vivência (EIV)

O 11º Estágio Interdisciplinar de Vivência aconteceu de 17 de fevereiro a 05 de março de 2014, apoiado pela Pró-Reitoria de Extensão e teve como tema "Conhecendo a Realidade do Campo do Rio Grande do Sul". O estágio foi criado no final da década de 80, por estudantes de Agronomia organizados na Federação dos Estudantes de Agronomia do Brasil (FEAB), e teve sua primeira edição no município de Dourados-MS. O EIV é construído em parceria com o Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra, o MST, e tem como um dos seus principais objetivos, mostrar aos estudantes a realidade agrária do Brasil e propor um método diferenciado de ensino-aprendizagem, tendo como princípios, a interdisciplinaridade (estudantes de vários cursos e diferentes áreas do conhecimento participando), a formação humanística (voltada para a sociedade, e construindo novos valores e relações sociais), o princípio da não-intervenção (durante o período de vivências, os estudantes não intervém na realidade dos assentamentos, apenas vivenciam a rotina das famílias e participam dela, trazendo para a universidade suas reflexões enquanto futuros profissionais). O EIV é composto de 3 fases: a primeira, com uma semana de estudos voltados para o entendimento da realidade agrária, seguido da segunda fase, que é o período de vivências, onde os estudantes são distribuídos em diversos assentamentos da reforma agrária do estado do Rio Grande do Sul, e por fim, a socialização das vivências e fechamento dos estudos na terceira fase. Esta edição do estágio de vivência ocorreu no assentamento da invernadinha em Júlio de Castilhos.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (Brasil)

18ª Expodireto Cotrijal

Fotografia de Mirian Redin de Quadros.
A 18ª edição da feira aconteceu entre os dias 6 e 10 de março de 2017, em Não-Me-Toque. A Expodireto Cotrijal é uma das maiores vitrines do agronegócio brasileiro. Reúne em um só local as maiores empresas nas áreas de máquinas e equipamentos para agropecuária, produção vegetal e animal e serviços, além de pesquisa, apresentando lançamentos e tecnologias para propriedades. Nesta edição, foram apresentados os projetos de extensão Aquarius, um dos pioneiros na área de agricultura de precisão, e o CR Campeiro, que disponibiliza um software que ajuda no gerenciamento rural. O Laboratório de Agricultura de Precisão (LAP) do campus de Frederico Westphalen também esteve presente, reunindo produtos e serviços nas áreas de máquinas e equipamentos para agropecuária, produção vegetal e animal e serviços, além de pesquisas. Dia 8 ocorreu o lançamento do livro do projeto Aquarius e dia 10 foi transmitido o programa Campus da Gente da Rádio Universidade 800 AM. Neste ano, foram cerca de 500 expositores e delegações de 70 países visitantes.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (Brasil)

18ª Expodireto Cotrijal

Fotografia de Mirian Redin de Quadros.
A 18ª edição da feira aconteceu entre os dias 6 e 10 de março de 2017, em Não-Me-Toque. A Expodireto Cotrijal é uma das maiores vitrines do agronegócio brasileiro. Reúne em um só local as maiores empresas nas áreas de máquinas e equipamentos para agropecuária, produção vegetal e animal e serviços, além de pesquisa, apresentando lançamentos e tecnologias para propriedades. Nesta edição, foram apresentados os projetos de extensão Aquarius, um dos pioneiros na área de agricultura de precisão, e o CR Campeiro, que disponibiliza um software que ajuda no gerenciamento rural. O Laboratório de Agricultura de Precisão (LAP) do campus de Frederico Westphalen também esteve presente, reunindo produtos e serviços nas áreas de máquinas e equipamentos para agropecuária, produção vegetal e animal e serviços, além de pesquisas. Dia 8 ocorreu o lançamento do livro do projeto Aquarius e dia 10 foi transmitido o programa Campus da Gente da Rádio Universidade 800 AM. Neste ano, foram cerca de 500 expositores e delegações de 70 países visitantes.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (Brasil)

18ª Expodireto Cotrijal

Fotografia de Mirian Redin de Quadros.
A 18ª edição da feira aconteceu entre os dias 6 e 10 de março de 2017, em Não-Me-Toque. A Expodireto Cotrijal é uma das maiores vitrines do agronegócio brasileiro. Reúne em um só local as maiores empresas nas áreas de máquinas e equipamentos para agropecuária, produção vegetal e animal e serviços, além de pesquisa, apresentando lançamentos e tecnologias para propriedades. Nesta edição, foram apresentados os projetos de extensão Aquarius, um dos pioneiros na área de agricultura de precisão, e o CR Campeiro, que disponibiliza um software que ajuda no gerenciamento rural. O Laboratório de Agricultura de Precisão (LAP) do campus de Frederico Westphalen também esteve presente, reunindo produtos e serviços nas áreas de máquinas e equipamentos para agropecuária, produção vegetal e animal e serviços, além de pesquisas. Dia 8 ocorreu o lançamento do livro do projeto Aquarius e dia 10 foi transmitido o programa Campus da Gente da Rádio Universidade 800 AM. Neste ano, foram cerca de 500 expositores e delegações de 70 países visitantes.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (Brasil)

18ª Expodireto Cotrijal

Fotografia de Mirian Redin de Quadros.
A 18ª edição da feira aconteceu entre os dias 6 e 10 de março de 2017, em Não-Me-Toque. A Expodireto Cotrijal é uma das maiores vitrines do agronegócio brasileiro. Reúne em um só local as maiores empresas nas áreas de máquinas e equipamentos para agropecuária, produção vegetal e animal e serviços, além de pesquisa, apresentando lançamentos e tecnologias para propriedades. Nesta edição, foram apresentados os projetos de extensão Aquarius, um dos pioneiros na área de agricultura de precisão, e o CR Campeiro, que disponibiliza um software que ajuda no gerenciamento rural. O Laboratório de Agricultura de Precisão (LAP) do campus de Frederico Westphalen também esteve presente, reunindo produtos e serviços nas áreas de máquinas e equipamentos para agropecuária, produção vegetal e animal e serviços, além de pesquisas. Dia 8 ocorreu o lançamento do livro do projeto Aquarius e dia 10 foi transmitido o programa Campus da Gente da Rádio Universidade 800 AM. Neste ano, foram cerca de 500 expositores e delegações de 70 países visitantes.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (Brasil)

18ª Expodireto Cotrijal

Fotografia de Mirian Redin de Quadros.
A 18ª edição da feira aconteceu entre os dias 6 e 10 de março de 2017, em Não-Me-Toque. A Expodireto Cotrijal é uma das maiores vitrines do agronegócio brasileiro. Reúne em um só local as maiores empresas nas áreas de máquinas e equipamentos para agropecuária, produção vegetal e animal e serviços, além de pesquisa, apresentando lançamentos e tecnologias para propriedades. Nesta edição, foram apresentados os projetos de extensão Aquarius, um dos pioneiros na área de agricultura de precisão, e o CR Campeiro, que disponibiliza um software que ajuda no gerenciamento rural. O Laboratório de Agricultura de Precisão (LAP) do campus de Frederico Westphalen também esteve presente, reunindo produtos e serviços nas áreas de máquinas e equipamentos para agropecuária, produção vegetal e animal e serviços, além de pesquisas. Dia 8 ocorreu o lançamento do livro do projeto Aquarius e dia 10 foi transmitido o programa Campus da Gente da Rádio Universidade 800 AM. Neste ano, foram cerca de 500 expositores e delegações de 70 países visitantes.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (Brasil)

18ª Expodireto Cotrijal

Fotografia de Mirian Redin de Quadros.
A 18ª edição da feira aconteceu entre os dias 6 e 10 de março de 2017, em Não-Me-Toque. A Expodireto Cotrijal é uma das maiores vitrines do agronegócio brasileiro. Reúne em um só local as maiores empresas nas áreas de máquinas e equipamentos para agropecuária, produção vegetal e animal e serviços, além de pesquisa, apresentando lançamentos e tecnologias para propriedades. Nesta edição, foram apresentados os projetos de extensão Aquarius, um dos pioneiros na área de agricultura de precisão, e o CR Campeiro, que disponibiliza um software que ajuda no gerenciamento rural. O Laboratório de Agricultura de Precisão (LAP) do campus de Frederico Westphalen também esteve presente, reunindo produtos e serviços nas áreas de máquinas e equipamentos para agropecuária, produção vegetal e animal e serviços, além de pesquisas. Dia 8 ocorreu o lançamento do livro do projeto Aquarius e dia 10 foi transmitido o programa Campus da Gente da Rádio Universidade 800 AM. Neste ano, foram cerca de 500 expositores e delegações de 70 países visitantes.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (Brasil)

18ª Expodireto Cotrijal

Fotografia de Mirian Redin de Quadros.
A 18ª edição da feira aconteceu entre os dias 6 e 10 de março de 2017, em Não-Me-Toque. A Expodireto Cotrijal é uma das maiores vitrines do agronegócio brasileiro. Reúne em um só local as maiores empresas nas áreas de máquinas e equipamentos para agropecuária, produção vegetal e animal e serviços, além de pesquisa, apresentando lançamentos e tecnologias para propriedades. Nesta edição, foram apresentados os projetos de extensão Aquarius, um dos pioneiros na área de agricultura de precisão, e o CR Campeiro, que disponibiliza um software que ajuda no gerenciamento rural. O Laboratório de Agricultura de Precisão (LAP) do campus de Frederico Westphalen também esteve presente, reunindo produtos e serviços nas áreas de máquinas e equipamentos para agropecuária, produção vegetal e animal e serviços, além de pesquisas. Dia 8 ocorreu o lançamento do livro do projeto Aquarius e dia 10 foi transmitido o programa Campus da Gente da Rádio Universidade 800 AM. Neste ano, foram cerca de 500 expositores e delegações de 70 países visitantes.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (Brasil)

18ª Expodireto Cotrijal

Fotografia de Mirian Redin de Quadros.
A 18ª edição da feira aconteceu entre os dias 6 e 10 de março de 2017, em Não-Me-Toque. A Expodireto Cotrijal é uma das maiores vitrines do agronegócio brasileiro. Reúne em um só local as maiores empresas nas áreas de máquinas e equipamentos para agropecuária, produção vegetal e animal e serviços, além de pesquisa, apresentando lançamentos e tecnologias para propriedades. Nesta edição, foram apresentados os projetos de extensão Aquarius, um dos pioneiros na área de agricultura de precisão, e o CR Campeiro, que disponibiliza um software que ajuda no gerenciamento rural. O Laboratório de Agricultura de Precisão (LAP) do campus de Frederico Westphalen também esteve presente, reunindo produtos e serviços nas áreas de máquinas e equipamentos para agropecuária, produção vegetal e animal e serviços, além de pesquisas. Dia 8 ocorreu o lançamento do livro do projeto Aquarius e dia 10 foi transmitido o programa Campus da Gente da Rádio Universidade 800 AM. Neste ano, foram cerca de 500 expositores e delegações de 70 países visitantes.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (Brasil)

18ª Expodireto Cotrijal

Fotografia de Mirian Redin de Quadros.
A 18ª edição da feira aconteceu entre os dias 6 e 10 de março de 2017, em Não-Me-Toque. A Expodireto Cotrijal é uma das maiores vitrines do agronegócio brasileiro. Reúne em um só local as maiores empresas nas áreas de máquinas e equipamentos para agropecuária, produção vegetal e animal e serviços, além de pesquisa, apresentando lançamentos e tecnologias para propriedades. Nesta edição, foram apresentados os projetos de extensão Aquarius, um dos pioneiros na área de agricultura de precisão, e o CR Campeiro, que disponibiliza um software que ajuda no gerenciamento rural. O Laboratório de Agricultura de Precisão (LAP) do campus de Frederico Westphalen também esteve presente, reunindo produtos e serviços nas áreas de máquinas e equipamentos para agropecuária, produção vegetal e animal e serviços, além de pesquisas. Dia 8 ocorreu o lançamento do livro do projeto Aquarius e dia 10 foi transmitido o programa Campus da Gente da Rádio Universidade 800 AM. Neste ano, foram cerca de 500 expositores e delegações de 70 países visitantes.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (Brasil)

18ª Expodireto Cotrijal

Fotografia de Mirian Redin de Quadros.
A 18ª edição da feira aconteceu entre os dias 6 e 10 de março de 2017, em Não-Me-Toque. A Expodireto Cotrijal é uma das maiores vitrines do agronegócio brasileiro. Reúne em um só local as maiores empresas nas áreas de máquinas e equipamentos para agropecuária, produção vegetal e animal e serviços, além de pesquisa, apresentando lançamentos e tecnologias para propriedades. Nesta edição, foram apresentados os projetos de extensão Aquarius, um dos pioneiros na área de agricultura de precisão, e o CR Campeiro, que disponibiliza um software que ajuda no gerenciamento rural. O Laboratório de Agricultura de Precisão (LAP) do campus de Frederico Westphalen também esteve presente, reunindo produtos e serviços nas áreas de máquinas e equipamentos para agropecuária, produção vegetal e animal e serviços, além de pesquisas. Dia 8 ocorreu o lançamento do livro do projeto Aquarius e dia 10 foi transmitido o programa Campus da Gente da Rádio Universidade 800 AM. Neste ano, foram cerca de 500 expositores e delegações de 70 países visitantes.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (Brasil)

1º Encontro Brasileiro de Jogos Tradicionais e Autóctones

Fotografia de Victória Lopes Rosa.
O 1º Encontro Brasileiro de Jogos Tradicionais e Autóctones ocorreu entre os dias 27 e 28 de outubro de 2017, organizado pelo Centro de Educação Física e Desportos (CEFD), com apoio da Pró-Reitoria de Extensão (PRE) e da Pró-Reitoria de Planejamento (Proplan). O objetivo do encontro foi valorizar e ativar o legado cultural, bem como desenvolver a sensibilidade e o envolvimento do público, por meio da visibilidade, da produção e da disseminação dos jogos autóctones. O evento contou com apresentação tradicionalista do DTG Noel Guarany, palestra "Jogos Tradicionais e História Indígena no Brasil" com o professor José Ronaldo Mendonça, antropólogo e docente do Departamento de História da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR), palestra “Jogos Tradicionais como escola de vida brincante” com o professor Pierre Normando Gomes, do Departamento de Educação Física da Paraíba, aluno depós-doutorado em Educação Física da UFSM e exposição de jogos tradicionais, artesanatos, livros, fotos e banners sobre manifestações da cultura lúdica tradicional e autóctone do Brasil.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (Brasil)

1º Encontro Brasileiro de Jogos Tradicionais e Autóctones

Fotografia de Victória Lopes Rosa.
O 1º Encontro Brasileiro de Jogos Tradicionais e Autóctones ocorreu entre os dias 27 e 28 de outubro de 2017, organizado pelo Centro de Educação Física e Desportos (CEFD), com apoio da Pró-Reitoria de Extensão (PRE) e da Pró-Reitoria de Planejamento (Proplan). O objetivo do encontro foi valorizar e ativar o legado cultural, bem como desenvolver a sensibilidade e o envolvimento do público, por meio da visibilidade, da produção e da disseminação dos jogos autóctones. O evento contou com apresentação tradicionalista do DTG Noel Guarany, palestra "Jogos Tradicionais e História Indígena no Brasil" com o professor José Ronaldo Mendonça, antropólogo e docente do Departamento de História da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR), palestra “Jogos Tradicionais como escola de vida brincante” com o professor Pierre Normando Gomes, do Departamento de Educação Física da Paraíba, aluno depós-doutorado em Educação Física da UFSM e exposição de jogos tradicionais, artesanatos, livros, fotos e banners sobre manifestações da cultura lúdica tradicional e autóctone do Brasil.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (Brasil)

1º Encontro Brasileiro de Jogos Tradicionais e Autóctones

Fotografia de Victória Lopes Rosa.
O 1º Encontro Brasileiro de Jogos Tradicionais e Autóctones ocorreu entre os dias 27 e 28 de outubro de 2017, organizado pelo Centro de Educação Física e Desportos (CEFD), com apoio da Pró-Reitoria de Extensão (PRE) e da Pró-Reitoria de Planejamento (Proplan). O objetivo do encontro foi valorizar e ativar o legado cultural, bem como desenvolver a sensibilidade e o envolvimento do público, por meio da visibilidade, da produção e da disseminação dos jogos autóctones. O evento contou com apresentação tradicionalista do DTG Noel Guarany, palestra "Jogos Tradicionais e História Indígena no Brasil" com o professor José Ronaldo Mendonça, antropólogo e docente do Departamento de História da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR), palestra “Jogos Tradicionais como escola de vida brincante” com o professor Pierre Normando Gomes, do Departamento de Educação Física da Paraíba, aluno depós-doutorado em Educação Física da UFSM e exposição de jogos tradicionais, artesanatos, livros, fotos e banners sobre manifestações da cultura lúdica tradicional e autóctone do Brasil.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (Brasil)

1º Encontro Brasileiro de Jogos Tradicionais e Autóctones

Fotografia de Victória Lopes Rosa.
O 1º Encontro Brasileiro de Jogos Tradicionais e Autóctones ocorreu entre os dias 27 e 28 de outubro de 2017, organizado pelo Centro de Educação Física e Desportos (CEFD), com apoio da Pró-Reitoria de Extensão (PRE) e da Pró-Reitoria de Planejamento (Proplan). O objetivo do encontro foi valorizar e ativar o legado cultural, bem como desenvolver a sensibilidade e o envolvimento do público, por meio da visibilidade, da produção e da disseminação dos jogos autóctones. O evento contou com apresentação tradicionalista do DTG Noel Guarany, palestra "Jogos Tradicionais e História Indígena no Brasil" com o professor José Ronaldo Mendonça, antropólogo e docente do Departamento de História da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR), palestra “Jogos Tradicionais como escola de vida brincante” com o professor Pierre Normando Gomes, do Departamento de Educação Física da Paraíba, aluno depós-doutorado em Educação Física da UFSM e exposição de jogos tradicionais, artesanatos, livros, fotos e banners sobre manifestações da cultura lúdica tradicional e autóctone do Brasil.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (Brasil)

2º Fórum Regional de Extensão da UFSM

O evento é uma ação do projeto Desenvolva, que, no ano passado, iniciou os trabalhos de mapeamento e definição das demandas de prioridade em extensão. O objetivo é aproximar a sociedade da comunidade acadêmica. O fórum ocorre em cidades que têm campus da UFSM. A primeira edição ocorreu em Palmeira das Missões. A proposta do fórum de extensão reconhece as especificidades de cada campus com o intuito de discutir uma política macro da Universidade que contemple a integração regional.
Fonte pesquisada: http://site.ufsm.br/noticias/exibir/frederico-westphalen-recebe-2-forum-regional-de-ex

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (Brasil)

2º Fórum Regional de Extensão da UFSM

O evento é uma ação do projeto Desenvolva, que, no ano passado, iniciou os trabalhos de mapeamento e definição das demandas de prioridade em extensão. O objetivo é aproximar a sociedade da comunidade acadêmica. O fórum ocorre em cidades que têm campus da UFSM. A primeira edição ocorreu em Palmeira das Missões. A proposta do fórum de extensão reconhece as especificidades de cada campus com o intuito de discutir uma política macro da Universidade que contemple a integração regional.
Fonte pesquisada: http://site.ufsm.br/noticias/exibir/frederico-westphalen-recebe-2-forum-regional-de-ex

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (Brasil)

2º Fórum Regional de Extensão da UFSM

O evento é uma ação do projeto Desenvolva, que, no ano passado, iniciou os trabalhos de mapeamento e definição das demandas de prioridade em extensão. O objetivo é aproximar a sociedade da comunidade acadêmica. O fórum ocorre em cidades que têm campus da UFSM. A primeira edição ocorreu em Palmeira das Missões. A proposta do fórum de extensão reconhece as especificidades de cada campus com o intuito de discutir uma política macro da Universidade que contemple a integração regional.
Fonte pesquisada: http://site.ufsm.br/noticias/exibir/frederico-westphalen-recebe-2-forum-regional-de-ex

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (Brasil)

32ª Jornada Acadêmica Integrada

Fotografia de Gabrielle Ineu Coradini.
Cerimônia de abertura da 32ª Jornada Acadêmica Integrada (JAI). A cerimônia também foi marcada pela entrega de prêmios. O primeiro deles foi o “Prêmio Destaque Ensino”, conquistado pelo projeto “50/50 - Igualdade de gênero no ensino e no mercado publicitário”, de autoria da professora Juliana Petermann, do Departamento de Ciências da Comunicação. A segunda premiação, “Prêmio Destaque em Pesquisa”, foi concedida à professora Cristina Nogueira, recentemente gratificada com o Prêmio Pesquisador Gaúcho 2017, entregue pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Rio Grande do Sul (FAPERGS). A solenidade contou ainda com uma conferência de encerramento, realizada pelo professor Fernando Pelegrine, doutor em Engenharia de Produção pela COPPE/UFRJ. Na palestra, o professor apresentou uma visão crítica do país frente à ciência e tecnologia. A 32ª Jornada Acadêmica Integrada (JAI) ocorreu de 23 a 27 de outubro de 2017.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (Brasil)

32ª Jornada Acadêmica Integrada

Fotografia de Gabrielle Ineu Coradini.
Cerimônia de abertura da 32ª Jornada Acadêmica Integrada (JAI). A cerimônia também foi marcada pela entrega de prêmios. O primeiro deles foi o “Prêmio Destaque Ensino”, conquistado pelo projeto “50/50 - Igualdade de gênero no ensino e no mercado publicitário”, de autoria da professora Juliana Petermann, do Departamento de Ciências da Comunicação. A segunda premiação, “Prêmio Destaque em Pesquisa”, foi concedida à professora Cristina Nogueira, recentemente gratificada com o Prêmio Pesquisador Gaúcho 2017, entregue pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Rio Grande do Sul (FAPERGS). A solenidade contou ainda com uma conferência de encerramento, realizada pelo professor Fernando Pelegrine, doutor em Engenharia de Produção pela COPPE/UFRJ. Na palestra, o professor apresentou uma visão crítica do país frente à ciência e tecnologia. A 32ª Jornada Acadêmica Integrada (JAI) ocorreu de 23 a 27 de outubro de 2017.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (Brasil)

32ª Jornada Acadêmica Integrada

Fotografia de Gabrielle Ineu Coradini.
Cerimônia de abertura da 32ª Jornada Acadêmica Integrada (JAI). A cerimônia também foi marcada pela entrega de prêmios. O primeiro deles foi o “Prêmio Destaque Ensino”, conquistado pelo projeto “50/50 - Igualdade de gênero no ensino e no mercado publicitário”, de autoria da professora Juliana Petermann, do Departamento de Ciências da Comunicação. A segunda premiação, “Prêmio Destaque em Pesquisa”, foi concedida à professora Cristina Nogueira, recentemente gratificada com o Prêmio Pesquisador Gaúcho 2017, entregue pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Rio Grande do Sul (FAPERGS). A solenidade contou ainda com uma conferência de encerramento, realizada pelo professor Fernando Pelegrine, doutor em Engenharia de Produção pela COPPE/UFRJ. Na palestra, o professor apresentou uma visão crítica do país frente à ciência e tecnologia. A 32ª Jornada Acadêmica Integrada (JAI) ocorreu de 23 a 27 de outubro de 2017.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (Brasil)

32ª Jornada Acadêmica Integrada

Fotografia de Gabrielle Ineu Coradini.
Cerimônia de abertura da 32ª Jornada Acadêmica Integrada (JAI). A cerimônia também foi marcada pela entrega de prêmios. O primeiro deles foi o “Prêmio Destaque Ensino”, conquistado pelo projeto “50/50 - Igualdade de gênero no ensino e no mercado publicitário”, de autoria da professora Juliana Petermann, do Departamento de Ciências da Comunicação. A segunda premiação, “Prêmio Destaque em Pesquisa”, foi concedida à professora Cristina Nogueira, recentemente gratificada com o Prêmio Pesquisador Gaúcho 2017, entregue pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Rio Grande do Sul (FAPERGS). A solenidade contou ainda com uma conferência de encerramento, realizada pelo professor Fernando Pelegrine, doutor em Engenharia de Produção pela COPPE/UFRJ. Na palestra, o professor apresentou uma visão crítica do país frente à ciência e tecnologia. A 32ª Jornada Acadêmica Integrada (JAI) ocorreu de 23 a 27 de outubro de 2017.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (Brasil)

33° Seminário de Extensão Universitária da Região Sul (SEURS)

O 33º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul – SEURS foi realizado pela Universidade Federal do Pampa na cidade de Bagé, Rio Grande do Sul, entre os dias 5 e 7 de agosto de 2015. Consolidado como o principal evento da extensão universitária no sul do país, o SEURS proporciona uma intensa troca de experiências e saberes, além de ser um espaço destinado às manifestações artístico-culturais desenvolvidas por essas instituições. A UNIPAMPA trabalhou na organização do 33º SEURS, buscando realizar um evento diferenciado, mas atendendo às expectativas dos extensionistas. Todas as atividades foram pensadas no âmbito do tema: Extensão e Cidade – Caminhos de interação, desenvolvimento e visibilidades.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (Brasil)

33° Seminário de Extensão Universitária da Região Sul (SEURS)

O 33º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul – SEURS foi realizado pela Universidade Federal do Pampa na cidade de Bagé, Rio Grande do Sul, entre os dias 5 e 7 de agosto de 2015. Consolidado como o principal evento da extensão universitária no sul do país, o SEURS proporciona uma intensa troca de experiências e saberes, além de ser um espaço destinado às manifestações artístico-culturais desenvolvidas por essas instituições. A UNIPAMPA trabalhou na organização do 33º SEURS, buscando realizar um evento diferenciado, mas atendendo às expectativas dos extensionistas. Todas as atividades foram pensadas no âmbito do tema: Extensão e Cidade – Caminhos de interação, desenvolvimento e visibilidades.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (Brasil)

34º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul - SEURS

Fotografia de Taiani Bacchi Kienetz.
O Seminário de Extensão Universitária da Região Sul - SEURS é o principal evento de extensão universitária do sul do país. Promove o intercâmbio entre as Instituições de Ensino, estimula discussões e trocas de experiências sobre as ações de Extensão que permeiam as relações entre as Instituições e a comunidade externa. Em 2016, o Instituto Federal Catarinense – Campus Camboriú foi sede do encontro, que aconteceu de 3 a 5 de agosto. A programação do evento envolveu apresentações orais, minicursos, oficinas, apresentações culturais, palestras e visitas técnicas.
A UFSM participou com 16 apresentações orais e um mini-curso de projetos de extensão.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (Brasil)

34º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul - SEURS

Fotografia de Geisiane Ines Descavi Soares.
O Seminário de Extensão Universitária da Região Sul - SEURS é o principal evento de extensão universitária do sul do país. Promove o intercâmbio entre as Instituições de Ensino, estimula discussões e trocas de experiências sobre as ações de Extensão que permeiam as relações entre as Instituições e a comunidade externa. Em 2016, o Instituto Federal Catarinense – Campus Camboriú foi sede do encontro, que aconteceu de 3 a 5 de agosto. A programação do evento envolveu apresentações orais, minicursos, oficinas, apresentações culturais, palestras e visitas técnicas.
A UFSM participou com 16 apresentações orais e um mini-curso de projetos de extensão.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (Brasil)

34º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul - SEURS

Fotografia de Geisiane Ines Descavi Soares.
O Seminário de Extensão Universitária da Região Sul - SEURS é o principal evento de extensão universitária do sul do país. Promove o intercâmbio entre as Instituições de Ensino, estimula discussões e trocas de experiências sobre as ações de Extensão que permeiam as relações entre as Instituições e a comunidade externa. Em 2016, o Instituto Federal Catarinense – Campus Camboriú foi sede do encontro, que aconteceu de 3 a 5 de agosto. A programação do evento envolveu apresentações orais, minicursos, oficinas, apresentações culturais, palestras e visitas técnicas.
A UFSM participou com 16 apresentações orais e um mini-curso de projetos de extensão.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA (Brasil)

Resultados 1 a 50 de 134