Mostrar 3063 resultados

Registro de autoridade

Coordenadoria de Comunicação Social

  • Entidade coletiva
  • 1998

A Coordenadoria de Comunicação Social foi criada oficialmente na estrutura organizacional da Universidade Federal de Santa Maria pela RCU 016/98 de 30/12/1998, Parecer 013/98 da 570º reunião da Comissão de Legislação e Regimentos. Esse ato também determinou a criação das estruturas da Imprensa Universitária e Rádio Universidade.
A origem desse órgão remonta a 1962, quando foi criado o Departamento de Divulgação, Intercâmbio e Extensão Cultural, subordinado à Reitoria. Em 1971, a nomenclatura foi alterada para Departamento de Comunicação, ainda subordinado à Reitoria, pelo Parecer 465/71, do Conselho Federal de Educação. Em 1973 esse órgão foi desativado pelo Parecer 41/73 da sessão 189 do Conselho Universitário. Somente em 1978 a Resolução UFSM nº 17 criou o Departamento de Divulgação, que abarcava as funções do extinto Departamento de Comunicação. Esse Departamento contava com duas unidades: a Divisão de Imprensa Universitária e a Divisão Rádio Universidade. Sendo que na Divisão de Imprensa Universitária, em 1981, pela Resolução UFSM nº 117, foi criado o Setor Editorial que, logo em 1982, pela Resolução UFSM nº 016, tornou-se, oficialmente, a Divisão Editorial.
Em 1987, a Resolução UFSM nº 025 desativa o Departamento de Divulgação. Dessa forma os setores que formavam a Divisão Editorial foram reencaminhados. O Setor Editorial ficou vinculado à Reitoria e o Setor Fotográfico e de Relações Públicas ficou vinculado ao Gabinete do Reitor.
Em 1988, o Regimento Geral da Reitoria transforma em órgão suplementar central a Divisão de Imprensa Universitária, a Divisão Rádio Universidade e a Divisão Editorial permanece até 1998, com a criação da Coordenadoria de Comunicação Social pela RCU 016/98 de 30/12/1998, Parecer 013/98 da 570º reunião da Comissão de Legislação e Regimentos.

Pignataro, João Carlos, 1932/2012

  • Pessoa
  • 1932-04-25/2012-07-10

Nasceu a 25/04/1932, em Santa Maria/RS, filho de João Pignataro e Normelia Funck Pignataro. Em 01/03/1962, foi nomeado, admitido e empossado no cargo de professor da UFSM.
Pignataro foi o primeiro diretor e, posteriormente, ocupou a coordenação do curso de Odontologia por um longo período. Professor de materiais dentários, ele foi o primeiro professor e fundador da disciplina de Radiologia do referido curso na UFSM, onde exerceu com esmero e dedicação a profissão de professor universitário.
Aposentou-se em 07/02/1990 e faleceu em 10/07/2012.

Conselho Universitário

  • Entidade coletiva
  • 1961 (criação)

A Secretaria dos Conselhos atende às demandas dos órgãos colegiados da UFSM. O Conselho Universitário (CONSU) é o Colegiado Máximo de deliberação coletiva para assuntos administrativos e de definição da política geral da UFSM. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) é o órgão superior deliberativo e consultivo da UFSM, para todos os assuntos de Ensino, Pesquisa e Extensão. O Conselho de Curadores é o órgão deliberativo responsável pela fiscalização e controle econômico-financeiro da UFSM.
As reuniões desses conselhos são gravadas e posteriormente transcritas e assinadas. A primeira mídia utilizada (até 1995) foi a fita magnética em rolo (516 fitas em poliéster e ferro). Predominam os formatos em ferro LH HiFi LP35 90min., e as fitas de poliéster em carretel 178mm. As fitas estão acondicionadas na embalagem original em papelão ou plástico que estão agrupadas em caixas arquivo de polionda azul, ordenadas cronologicamente, em estantes de aço no arquivo deslizante localizado no subsolo do prédio 47. O forte odor de vinagre, característico da deterioração provocada pela hidrólise (a fita fica deformada e ilegível) é perceptível no acervo, bem como a poeira que impregnou o material acondicionado por muito tempo em local impróprio, antes do recolhimento. Esses sinais indicam a necessidade urgente de uma ação de restauração e preservação dessa documentação, justificando a elaboração de um projeto detalhado das ações específicas a serem executadas.
Posteriormente, no período de 1995 a 2010, foram utilizadas as fitas cassete, que contém o registro em áudio, das reuniões do Conselho de Curadores, CONSU e CEPE. São cerca de 1.550 fitas acondicionadas em embalagem própria, de acrílico, armazenadas em um arquivo de aço de 6 gavetas, na Secretaria dos Conselhos.

Londero, Alberto Thomas

  • Pessoa
  • 1921

Alberto Thomaz Londero nasceu em Santa Maria em 03 de junho de 1921, filho de José Londero e Matghilde Bortoluzzi. Cursou o primário e o primeiro ano secundário no Colégio Santa Maria, em Santa Maria (l928-1932), e o restante do curso secundário no Colégio Nossa Senhora Auxiliadora em Bagé (l933-1937). Complementou o curso secundário no curso pré-médico no Colégio Júlio de Castilhos em Porto Alegre (l939-1940). Cursou Medicina na Faculdade de Medicina da UFRGS, colando grau em 1945. Ingressou na carreira docente em 1946 como auxiliar de ensino na Faculdade de Farmácia de Santa Maria, integrada à UFRGS em 1951. Por Concurso Público de Títulos e Provas, foi empossado como professor Catedrático de Zoologia e Parasitologia em 1956. Com a criação da Universidade Federal de Santa Maria, passou a catedrático de Parasitologia e Micologia. Aposentou-se em 1991. Ingressou como professor regente da disciplina de Parasitologia e Micologia, na novel Faculdade de Medicina de Santa Maria, então pertencente à UFRGS, em 1956. Incorporada à UFSM, em 1960, passou a professor Titular. Por aceitar o regime de dedicação exclusiva e tempo integral, licenciou-se da Faculdade de Medicina UFSM e, em 1974, em razão da nova legislação de acúmulo de cargos, aposentou-se. Por concurso de títulos, ocupou a direção do Instituto de Parasitologia e Micologia da UFSM, de sua criação até sua extinção (1961-1970). Pesquisador Conferencista do Conselho Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico (CNPq) de 1968 a 1975. Com a restruturação do CNPq, passou a Pesquisador 1-A de l976 a 1991.

Projeto Rondon, 1968 -

  • Entidade coletiva
  • 1968 / 1989 (ISO 8601)

Em janeiro de 1968, foi levado à execução o Projeto Rondon n° 1, deslocando para Boa Vista, Roraima, equipes organizadas, levando representantes das Ciências Médicas, Técnicas e Sociais. O Projeto recebeu este nome em homenagem ao Marechal Cândido Rondon, um dos desbravadores da Amazônia e criador do Serviço de Proteção aos Índios. A regionalização do Projeto Rondon, originário do Ministério do Interior contou com a participação do Ministério do Exército e sob a aprovação da Presidência da República.

1ª Fase: Desenvolvida regionalmente. Os jovens que quisessem dirigir-se ao norte do país deveriam primeiramente, ter uma experiência "in loco" dos problemas de sua região. Criaram-se as coordenações regionais, ficando o R14111 no Grande do Sul dividido em duas partes: uma sob a responsabilidade da Universidade do Rio Grande do sul e Pontifícia Universidade Católica do Estado, a outra sob os cuidados da Universidade Federal de Santa Maria. Em suma, o Projeto Rondon, visa à ação dinâmica do estudante, participando dos problemas da comunidade, canalizando suas energias em benefício social da nossa pátria.

A subcoordenação do Projeto Rondon abriu em 13 de abril, as inscrições para os acadêmicos da Universidade Federal de Santa Maria e profissionais de nível universitário, interessados em participar no projeto regional n° 3, contando com 130 inscritos. O núcleo de integração foi responsável pelos contatos mantidos junto à UFSM, para obtenção de recursos necessários para a efetivação do 3° projeto regional. Dos acadêmicos inscritos e relacionados para o projeto regional foram deslocados 43 acadêmicos das seguintes áreas: Agronomia (11), Veterinária (2), Farmácia e Bioquímica (5), Enfermagem (1), Medicina (1), Odontologia (1), Educação (6), Administração (1).

2ª Fase: Desenvolvida nacionalmente. Houve um intercâmbio com as regiões Norte e Nordeste do Brasil. As operações aconteciam nas férias – as nacionais em janeiro e fevereiro, e as regionais, em julho. No campus de Roraima, o fluxo de atividades era constante durante o ano todo, havendo, a cada mês, uma nova equipe de estagiários embarcando para Boa Vista como partes das atividades acadêmicas. Em Roraima, as atividades desenvolvidas alcançavam diferentes áreas do conhecimento, com destaque para a atuação dos acadêmicos de cursos relacionados à saúde e a educação. Além dos atendimentos à comunidade, a UFSM oferecia cursos de extensão para qualificação dos professores locais. Os docentes santa-marienses iam para o campus nos períodos de férias da UFSM, deixando atividades programadas para todo o semestre.

3ª Fase: Campus avançado Roraima. Em abril de 1968, em um vôo de Brasília ao Rio de Janeiro, O Reitor da UFSM teve oportunidade de conversar com o Ministro Costa Cavalcanti. Entre os planos do Ministro do Interior estava o de reativar o “Projeto Rondon”. Não demorou para que Mariano manifestasse o interesse da UFSM em participar do Projeto. A idéia corporificou-se, ao regressar a equipe de acadêmicos da UFSM, que dentro da programação do Projeto Rondon, fora de Roraima, prestar seus serviços no período de férias escolares (Jan./fev. 1969). A idéia tomou forma através do contato do reitor com o Ten. Cel. Mauro da Costa Rodrigues, quando ficou estabelecido o lançamento das Universidades Brasileiras sobre a Amazônia, cabendo à UFSM, o assessoramento à Roraima. Para isso foi montado um Projeto, em que se estabeleciam as condições de execução, de trabalho e de montagem do, já então chamado "Campus Avançado". Este Projeto foi analisado pelo GT Rondon, aprovado, o planejamento final indicava a necessidade de uma "Fase-Piloto" que iniciou em agosto de 1969.
No dia 1° de agosto de 1969, foi assinado o Convênio do estabelecimento do Campus Avançado, em sessão solene presidida pelo Reitor Prof° Dr. José Mariano da Rocha Filho e com a presença dos senhores José Costa Cavalcanti Ministro do Interior, Walmor Leal Dalcin Governador do território de Roraima e o Tenente Coronel Mauro da Costa Rodrigues Coordenador do GT Rondon.

Em resumo o Convênio reunia várias Filosofias:

  • A do Governo Federal, de efetuar o desenvolvimento da Amazônia, a todo custo;
  • A do Governo do território de Roraima com o mesmo propósito;
  • A do GT Rondon, a de "integrar para não entregar";
  • A da UFSM, seguindo a sua diretriz de ser "Alavanca para o Progresso”.

O Campus Avançado é constituído de duas sedes: A urbana, com uma área de cerca de 10 hectares, situado no perímetro de Boa Vista e a Sede rural: localizada na Fazenda Boa Intento com uma área de 1.700 ha. O coordenador do Campus Avançado, Cel. Alexandre Amêndoa, fez com que a idéia tomasse corpo e concretizando-se mesmo com todas as dificuldades. Cabe destacar a atuação da FAB (Força Aérea Brasileira) que possibilitou o dificultoso transporte. O engenheiro Ivan Soares Gervini trabalhou durante todo o mês de novembro de 1969 em Roraima, fazendo o levantamento, estudos e projeto para a construção de um Colégio Agrícola Modelo no Campus de Roraima. As atividades no Campus Avançado de Roraima consagraram a idéia de extensão da Universidade, desafio vencido pelos pioneiros que aceitaram o plano de interiorizar a Educação no País.

O Campus avançado de Roraima funcionou até 1985. As instalações e o trabalho desenvolvido pela UFSM em Roraima foram o embrião para a criação da Universidade Federal de Roraima em 1989.

Em 2005, o nome Projeto Rondon foi resgatado e retomou suas atividades, sob coordenação do Ministério da Defesa.

Pró-Reitoria de Graduação

  • BR RS UFSM PROGRAD
  • Entidade coletiva
  • 1973

A PROGRAD teve início em 1973 com a denominação de Pró-Reitoria de Ensino e Pesquisa. Já em 1978 passou-se a denominar-se Pró-Reitoria de Graduação.

Bianchini, Walter

  • Pessoa
  • 1973-1977

Walter Bianchini foi Pró-Reitor de Extensão durante a gestão do Reitor Hélios Homero Bernardi.

Santos, Edy Paulo Pereira dos, 1927-1972

  • Pessoa
  • 1927-07-02 / 1972-05-25 (ISO 8601)

Nasceu em 02/07/1927, Filho de Ernesto Pereira dos Santos e Lygia Panichi Pereiras dos Santos e casado com Carmen Leda Roennau dos Santos.
Foi admitido em 02/01/1962 para professor da cadeira de Termodinâmica, na Faculdade Politécnica.
Em 19/03/1971 foi lotado no Departamento de Administração, no centro de CCJEA.
Faleceu em 25/05/1972.

<b>Fonte consultada</b>
UFSM. SIE – Sistema de Informações para o Ensino. Recursos Humanos (Módulo 4). Ocorrência por Matrícula (4.99.02.20.02) de Edy Paulo Pereira dos Santos. Acesso em: 25 out. 2011.

<b>Pesquisa Realizada por</b>
Dhion Hedlund em 25/10/2011

Ramos, Fernando, 1932-2009

  • Pessoa
  • 1932-10-15 / 2009-08-20

Filho de Manoel Garibaldi Ramos e Paulina Gomes Ramos. Nasceu em Santa Maria no dia 15 de outubro de 1932. Foi casado com Regina Carter Ramos.
Admitido e empossado em 01/03/1962 no cargo de instrutor de ensino superior.
Em 30/12/1966 foi nomeado para Diretor “Pro Tempore” da Faculdade de Belas Artes, onde permaneceu no cargo até 06/03/1970.
Em 15/02/1967 foi designado para elaborar a implantação de cursos na Universidade.
Em 13/01/1970 foi designado para a comissão encarregada das festividades alusivas ao 10º aniversário da UFSM.
Em 06/1971 presidiu a comissão julgadora dos trabalhos sobre a letra do hino da UFSM.
Em 04/1972 participou da comissão sub-social cultural para as comemorações do Sesquicentenário da independência.
Em 06/1973 participou da comissão de festividades ao centenário a Santos Dumont.
Em 05/1974 foi designado para elaborar coral da Universidade.
Em 03/1981 foi designado para executor do convênio 2180 (UFSM e Secretaria de Indústria do Ministério da Indústria Comércio) e Coordenador do Projeto para desenvolvimento de design para indústria têxtil.
Aposentou-se em 29/05/1990 e faleceu em 20/08/2009.

<b>Fonte consultada</b>
UFSM. SIE – Sistema de Informações para o Ensino. Recursos Humanos (Módulo 4). Ocorrência por Matrícula (4.99.02.20.02) de Fernando Ramos. Acesso em: 04 out. 2011.

<b>Pesquisa Realizada por:</b>
Dhion Hedlund em 04/10/2011

Souza, Lamartine de, 1896-1972

  • Pessoa
  • 1896-11-18 / 1972 (ISO 8601)

Nascido em 18/11/1896. Natural de Santa Maria/RS. Filho de Candido Souza e Porfiria Brinckmann Souza. Casou-se com Jacyr Stellfeld Souza. Foi Fundador Vitalício e Professor Catedrático da Cadeira de Química Toxicológica e Bromatológica da Faculdade de Farmácia da Universidade de Santa Maria por trinta anos (1932 – 1962). A partir do ano de 1961 auxiliou no ensino do Departamento de Clínica Cirúrgica, da Faculdade de Medicina de Santa Maria, tendo atuado também do ano de 1961 a 1965 na direção da Faculdade de Odontologia da mesma Univesidade.
Foi exonerado em 03/01/1972, faleceu pouco tempo depois, ainda no ano de 1972.

<b>Fonte Consultada:</b>
UFSM, Departamento de Arquivo Geral. Pró Reitoria de Recursos Humanos (Fundo). Dossiê ex-servidor. Lamartine de Souza. FI.G6.S1.DFS.C50.M24

<b>Pesquisa Realizada por:</b>
Rodrigo Vieira em 04/10/2011.

Rodrigues, Mauro da Costa, 1927-

  • Pessoa
  • 1927 / (ISO 8601)

Nasceu em 1927 na cidade do Rio de janeiro /RJ. Foi Coronel e Secretário da Educação e Cultura do Estado do Rio Grande do sul em 1973. Foi um dos mentores do Projeto Rondon (1969), tinha uma ligação estreita com o Reitor José Mariano da Rocha Filho.

<b>Fonte consultada:</b>
DAG

<b>Pesquisa realizada por:</b>
Neiva Pavezi

Melro, Paulo Affonso de Freitas

  • Pessoa
  • ?

Engenheiro da superintendência do desenvolvimento dos Estados do Sul do País – SUDESUL. (1969)
Como Superintendente do SUDESUL recebeu em 18/02/1975 medalha de bronze por Mérito, honraria denominada Mérito Anita Garibaldi.

<b>Fonte consultada:</b>
GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA. Casa Militar. Condecorações do Estado. Agraciados - Medalha de Mérito Anita Garibaldi. Disponível em: < http://www.casamilitar.sc.gov.br/agraciadosAG.htm>. Acesso em 14 out. 2011.

<b>Pesquisa Realizada por:</b>
Fabiana Fagundes Fontana

Santos, Zósymo Lopes dos, 1929-1999

  • Pessoa
  • 1929-04-04 / 1999-11-11 (ISO 8601)

Filho de João Henrique Lopes dos Santos e Maria de C. Xavier dos Santos, nasceu em Santa Maria no dia 04/04/1929. Casado com Alcy Canto dos Santos, foi admitido, nomeado e empossado na UFSM no dia 01/03/1959.
Em 03 de janeiro de 1967 foi designado para assumir a direção do Instituto de Medicina Preventiva.
Em 25 de maio de 1970 foi designado para assumir a chefia do Departamento de Higiene e Medicina Preventiva.
Em 19 de março de 1971 é lotado no Departamento de Medicina – CCB.
Aposentou-se em 15/09/1976 e faleceu em 11/11/1999.

<b>Fonte consultada:</b>
UFSM. SIE – Sistema de Informações para o Ensino. Recursos Humanos (Módulo 4). Ocorrência por Matrícula (4.99.02.20.02) de Zosymo Lopes dos Santos. Acesso em: 04 out. 2011.

<b>Pesquisa Realizada por:</b>
Dhion Hedlund em 04/10/2011
Neiva Pavezi em 04/10/2011

Rádio Universidade da UFSM, 1968 -

  • Entidade coletiva
  • 27-05-1968 / (ISO 8601)

Instalada oficialmente às 18 horas do dia 27 de maio de 1968, a Rádio Universidade passou a ser sintonizada na freqüência dos 1.320 khz e 1 kW de potência. Os transmissores e antena foram instalados em Boca do Monte, no haras de Domingos Crosseti. Depois, o parque de transmissão foi transferido para a sede da APUSM (Associação dos Professores Universitários de Santa Maria) e hoje está em local ainda mais próximo ao campus. José Mariano da Rocha Filho convidou para ser o primeiro diretor o jornalista Antonio Abelin, que formou sua equipe de trabalho que levou ao ar uma programação diferente dos moldes tradicionais do rádio naquela época, estava no ar a rádio educativa.

A visão do reitor era integrar, num mesmo órgão administrativo: a Divisão de Imprensa, que abrigava a Rádio e a TV Educativa (DIRTVE). A emissora não veiculava propaganda e o estilo sóbrio da programação, no início criticada, passou a ser bem aceita pelo público e a alcançar bons índices de audiência. A Rádio priorizava, em seus noticiários, os principais fatos e eventos promovidos pela UFSM. Seus estúdios eram freqüentados por alunos e professores que apresentavam programas educativos, mesclando boa música e informação cultural.

Transmitia em convênio, os programas de ensino à distância produzidos pela FEPLAM (Fundação Educacional Padre Landel de Moura. Também à noite, veiculava programas de alfabetização de adultos através do MOBRAL e manteve intercâmbios com emissoras internacionais como a BBC de Londres e Radio France, entre outras.

No ano de 1995, ganhou novo transmissor de 10 kW, levando ainda mais longe, nas 24 horas do dia e também via Internet, o nome da UFSM, tudo o que ela produz de qualquer lugar do mundo como sempre foi vontade de seu fundador, José Mariano da Rocha Filho.
Em maio de 2005, a Radio Universidade comemorou 37 anos de funcionamento, transferida desde 1981 para o 10° andar do Prédio da Administração central, no campus da UFSM, operando na freqüência de 800 khz e 10 kW de potência.

<b>Fonte Consultada:</b>
GAROFALLO, Nicola Chiarelli. Rádio Universidade. In: ISAIA, Luiz Gonzaga. UFSM: memórias. Santa Maria: Pallotti, 2006. Cap. 53, p. 339-340.

<b>Pesquisa realizada por:</b>
Fabiana Fagundes Fontana

Resultados 1 a 50 de 3063